Cheap Soccer Cleats Michael Kors Outlet Cheap Soccer Shoes Nike LeBron 11 mercurial soccer adidas f5 indoor soccer shoes mizuno soccer cleats soccer cleats 2014 adipure soccer cleats
   

Plantão 24hs

Notícias
Notícias, Serviços, Clientes em destaque, Eventos e Dicas técnicas

Home » Notícias

[ -A  | +A ]
Entenda o que é o SF6
26/08/2014 - Fonte: ESTGV

Clique na imagem para ampliar

Índice:

·        As características do SF6                            

·        O que é o SF6                                                                     

·        Onde e como é usado o SF6                                                

·        Qual é o benefício de usar o SF6                                             

·        SF6 na atmosfera                                            

·        A reciclagem do SF6                                        

·        Transformadores em SF6                     

·        Transformador                             

·        As vantagens e os inconvenientes                              

·        A manutenção                                

·        Transformadores com isolante seco

·        Interrupção em hexafluoreto de enxofre (SF6)

·        Alta tensão, isolamento e equipamento

·        Característica dieléctrica do SF6 à baixa temperatura        

·        Distensão nos óleos isolantes          

·        A modelação da descarga de raio                    

·        Cabo de isolação gasosa                         

·        Condensadores                                    

·        Física da descarga e interfaces                                       

·        Fenómenos de interfaces                                                                               

 

I. As características do SF6:

A. O que é o SF6?

O hexafluoreto de enxofre (SF6) é um gás que é usado em equipamento de energia eléctrica. É transparente, inodoro, não inflamável e quimicamente estável. Isto significa que à temperatura de quarto não reage com qualquer outra substância. A estabilidade vem do arranjo simétrico dos seis átomos de fluoreto em torno do átomo central de enxofre. É esta estabilidade que faz este gás útil em equipamentos eléctricos. O SF6 é um isolador eléctrico muito bom e pode efectivamente extinguir arcos eléctricos nos aparelhos de alta e media tensão enchidos com SF6. O SF6 pode ser achado no mundo inteiro em milhões de aparelhos eléctricos; o equipamento eléctrico que contém SF6 é um artigo de grande exportação.

O SF6 é formado por uma reacção química entre enxofre fundido e fluoreto. O fluoreto é obtido pela electrólise de ácido de fluorídrico (HF).

O SF6 puro não é venenoso. O gás não é perigoso ao inalar, uma vez que o conteúdo de oxigénio é bastante alto. Em princípio pode-se inalar sem perigo uma mistura de 80% de oxigénio e 20% de SF6. O SF6 é aproximadamente 6 vezes mais pesado do que o ar. Isso significa que pode concentrar-se em canalizações de cabos ou no fundo de depósitos. O gás não é perigoso ao inalar mas se há uma acumulação importante do gás, há um risco de sufocação devido à falta de oxigénio.

 

B. Onde e como é usado o SF6?

O SF6 é usado como um gás isolante em subestações, como um isolador e médio refrescante em transformadores e como um isolador e extintor de arco eléctrico em interruptores para aplicações de alta e média tensão. Estes são sistemas fechados que estão extremamente seguros e livres de improváveis fugas.

Em sistemas de energia eléctrica, é exigido nos interruptores de alta e media tensão no poder de corte para no caso de uma falha proteger as pessoas e os equipamentos.

As subestações isoladas com gás encontram-se principalmente em áreas urbanas e frequentemente instaladas em edifícios num pequeno local. Estas subestações reduzem o campo magnético e removem completamente o campo eléctrico. Esta é uma real vantagem para os instaladores, pessoal de manutenção e as pessoas que vivem na redondeza de subestações.

O SF6 é também usado de outros modos. Misturado com argónio, pode ser usado em janelas isoladas. O SF6 é usado na indústria de metal, por exemplo, quando o magnésio é utilizado. Os cirurgiões dos olhos usam SF6 como agente refrescante em operações. O SF6 também pode ser usado como um agente que extingue o fogo porque é não inflamável e refrescante.

Em aplicações eléctricas, o SF6 é só usado hermeticamente em sistemas fechados e seguros que debaixo de circunstâncias normais não libertam gás.

 

C. Qual é o benefício de usar o SF6?

Há duas razões para usar o SF6 em equipamento eléctrico:

O SF6 garante uma insolação eléctrica extremamente boa e uma boa extinção do arco eléctrico. Estas propriedades do SF6 tornam possível construir equipamentos eléctricos e aparelhos que são compactos, usam uma quantidade pequena de material, estão seguros e duraram muito tempo. À pressão atmosférica normal, o SF6 têm um dieléctrico de capacidade resistiva que é 2.5 vezes melhor que a do ar. Normalmente o gás é usado a 3-5 vezes a pressão atmosférica e então as propriedades de dieléctrico são dez vezes melhor  que a do ar.

O SF6 é um bom isolador porque é fortemente dopado em electrões negativos. Isto significa que as moléculas de gás pegam electrões livres e constróem iões negativos, que não se movem rapidamente. Isto é importante quando se criam avalanches de electrões que podem conduzir a flashovers.

O SF6 controla efectivamente o arco na interrupção do circuito porque tem excelentes propriedades refrescantes a temperaturas (1500-5000 K) na qual os arcos extinguem (o gás usa energia quando dissocia e então produz um efeito refrescante).

Os interruptores de média e alta tensão com SF6 ocupam um grande “volume” no mercado. O Gás isolou subestações completas, GIS ou RMU, é usado onde o espaço é restringido ou o ambiente é severo. Eles são virtualmente de manutenção livre. O equipamento eléctrico enchido com SF6 esta em uso à aproximadamente 40 anos e a experiência de serviço é muito boa. Assim:

·   o SF6 têm um dieléctrico de capacidade resistiva muito alta

·   o SF6 extingue efectivamente arcos eléctricos em circuito de média e alta tensão

·   os aparelhos com SF6 são compactos e quase livres de manutenção

·   o equipamento com SF6 está extremamente seguro quando operado por usuários

 

D. O SF6 na atmosfera 

Dragon Fireworks

1.  O hexafluoreto de enxofre (SF6) não contribuí para o buraco de ozono.

2.  Embora o hexafluoreto de enxofre (SF6) seja um gás de estufa, é só usado em pequena quantidade para que a sua contribuição aqueça os resíduos globais desprezíveis.

3.  O hexafluoreto de enxofre (SF6) é contido em equipamentos de energia eléctrica mas só uma pequena fracção é lançada para a atmosfera por vazamento destes.

4.  O SF6 usado em equipamentos de energia eléctrica é reciclável. A maioria do gás pode ser usado de novo.

5.  O SF6 pode ser removido pelo ecociclo, por exemplo, através de um processo térmico que o transforma de novo em fluoreto de substâncias naturais.

6.  No momento, só aproximadamente um terço do SF6 produzido no mundo é usado pelos fabricantes de equipamentos eléctricos. A maioria deste gás está dentro de equipamentos recentemente instalados. 

7.  A taxa de fuga do SF6 em equipamento operacional pode ser mantido debaixo de 0.2%/ano com a tecnologia atual. O vazamento pode, por isso, ser conservado também tão baixo porque a contribuição futura de SF6 “eléctrico“ para o efeito de estufa permanece desprezível.

8.  O total impacto ambiental do uso de equipamentos com SF6 foi avaliado pela análise ambiental do ciclo de vida (LCA) de acordo com ISO 14000. O resultado mostra que o uso de SF6 permite minimizar a carga ambiental integrante do equipamento. Isto é porque as poupanças de outros materiais e a carga ambiental associada quantitativamente compensam o impacto causado por perdas de SF6.

E. A reciclagem do SF6                                                                               

1.  O lançamento deliberado de SF6 na atmosfera deve ser evitado.

2.  O SF6 só deverá ser aplicado onde pode ser usado de novo e reciclado.

3.  Em equipamentos de energia eléctrica, o SF6 pode ser reciclado sistematicamente e pode ser usado de novo.

4.  Os níveis de pureza do SF6 reciclado foram propostos através de comités internacionais (CIGRE, IEC) e será incluído  num padrão de IEC revisto num futuro próximo.

5.  A comercialização de equipamento em SF6 reciclado está disponível para todas as exigências.

6.  Só uma fracção muito pequena do SF6 é contaminada a um tal grau que não pode ser usado de novo. Este gás pode ser reutilizável através de empreendimentos especializados em reciclagem (por exemplo SF6 produtores). 

 

II.  Transformadores em SF6:

A. O transformador

Os transformadores imersos em hexafluoreto de enxofre (SF6), que, na actualidade, foram desenvolvidos para comercialização por investigadores japoneses, apresentam aspectos construtivos próprios. O núcleo magnético é formado pelo empacotamento da chapa magnética, sem pernos de aperto e sustentado por uma estrutura de perfilado de ferro.

Os enrolamentos são isolados com materiais sintéticos e podem ser do tipo bobina ou do tipo em banda de cobre, conforme a intensidade da corrente eléctrica que os atravessa. Estes órgãos, que formam a parte activa do transformador, encontra-se encerrados no interior de uma cuba hermética.

O material isolante eléctrico e condutor de calor utilizado para promover o isolamento eléctrico e o arrefecimento do transformador é um gás: o hexafluoreto de enxofre (SF6). Trata-se de um gás que, como isolante eléctrico, tem um valor de rigidez 2,5 vezes superior à rigidez do ar à pressão atmosférica, e que apresenta uma boa regeneração da rigidez dieléctrica, depois de submetido a ruptura pelo arco eléctrico. Este gás, como condutor térmico, apresenta um elevado calor especifico, o que facilita o transporte do calor dos enrolamentos onde se desenvolve para a superfície da cuba onde se dissipa. O SF6 não é solúvel em água e não liberta elementos tóxicos ou perigosos quando aquecido, pelo que não apresenta agressividade ambiental.

Todo o gás utilizado no transformador está contido na cuba, com um valor de pressão pequeno (1 bar a 4 bar). Por isso, a cuba não necessita de respeitar as normas construtivas para recipientes submetidos a elevadas pressões, registando-se mesmo casos de utilização do alumínio na construção dessa cuba.

Como o gás tem uma dupla função de isolante eléctrico e de condutor térmico, através do valor da respectiva pressão e do método de refrigeração consegue-se uma grande variedade de soluções construtivas e características nominais: um aumento da pressão do gás pode traduzi-se por uma maior potência nominal ou por um menor atravancamento do transformador.

O arrefecimento do transformador pode ser feito por convexão natural do gás ou por circulação forçada de um outro líquido refrigerante, que pode estar ou não estar em contacto directo com o hexafluoreto de enxofre.

Devido à utilização do hexafluoreto de enxofre e de lâminas de isolantes sintéticos no isolamento dos enrolamentos do transformador, que são materiais isolantes com constante dieléctrica diferente das habituais, as distâncias enter enrolamentos e entre subenrolamentos e as dimensões dos calços de separação dos enrolamentos vêm alteradas, o que, sendo uma particularidade construtiva, não chega a influenciar o valor das dimensões globais do transformador.

 

B. As vantagens e os inconvenientes

Os transformadores em SF6 apresentam um conjunto de vantagens e alguns inconvenientes.

Como vantagens deste tipo de transformadores salienta-se que são seguros quanto ao contacto acidental porque têm as partes activas protegidas por uma cuba. O material isolante, o SF6, é autoregenerador quanto à ruptura pelo arco eléctrico. Apresentam materiais isolantes quimicamente estáveis e sem problemas de envelhecimento.

O comportamento destes transformadores quanto ao impacto ambiental é bom porque no fim da vida útil os seus materiais são recicláveis, não apresentam agressividade ambiental durante o fabrico e durante o funcionamento, e funcionam bem tanto protegidos do meio ambiente em instalações interiores como expostos ao tempo em instalações exteriores.

Quanto à aplicação destes transformadores imersos em gás verifica-se que apresentam uma boa capacidade de sobrecarga e que não necessitam de fossa na sua instalação, o que reduz as necessidades de espaço para construção das subestações ou postos de transformação.

Verifica-se que um transformadores em SF6 ocupa menos 30% de espaço e apresenta-se como valor típico na sua aplicação uma redução de 15% no custo global de um subestação, apesar deste tipo de transformador ser mais caro que o tradicional transformador imerso em óleo. Assim, o preço constitui o seu maior inconveniente.

 

C.  A manutenção

O transformador em SF6 é apresentado como uma maquina eléctrica que não requer manutenção. Tal é justificado pelo seus aspectos construtivos e pelas características do gás isolante em que está imerso: o hexafluoreto de enxofre.

 

D.  Conclusão

Os transformadores imersos em hexafluoreto de enxofre (SF6) devido aos seus aspectos construtivos e às características deste gás requerem um conjunto pequeno de actos de manutenção, essencialmente no cumprimento do disposto no Regulamento de Segurança. Por isso, podem-se aproveitar as sessões de manutenção da instalação para efectuar as poucas e simples, acções necessárias à manutenção dos transformadores em SF6.

 

III.  Transformadores com isolante seco:

Nas instalações de distribuição de energia eléctrica existe frequentemente a necessidade de colocar o transformador o mais próximo possível das unidades de carga. Estas técnicas de projecto de redes eléctricas tende actualmente, a ser utilizada na aplicação dos transformadores de potência. Daí resultou o ressurgimento dos transformadores com isolante seco e com diversos tipos de arrefecimento: não ventilados e com ventilação forçada.

Os transformadores com isolante seco, devido às suas características construtivas, em que o núcleo está recoberto por um verniz e os enrolamentos estão envolvidos, ou moldados, por um material isolante seco, têm problemas de projecto, aspectos de montagem, características de funcionamento e cuidados de manutenção que são próprios.

O núcleo dos transformadores com isolante seco é constituído por um empilhamento de chapa de aço silicioso, com cristais orientados, laminada a frio e recoberta por uma camada que serve de isolante interlaminar.  Os enrolamentos destes transformadores apresentam diferentes aspectos construtivos conforme o fabricante.

No enrolamento de baixa tensão, que é projectado de forma a tornar reduzidos os esforços mecânicos axiais numa situação de curto-circuito, utiliza-se um enrolamento em chapa rectangular, em banda, em cobre electrolítico ou em alumínio, com a ligação aos terminais feita através de uma barra soldada na extremidade da banda. Entre as diferentes camadas concêntricas do enrolamento existe uma lâmina isolante, de um material compósito reforçado com fibra de vidro. Este enrolamento está dividido em dois, ligados em serie, mas separados por um canal de ventilação onde se encontram alguns calços destinados a dar rigidez mecânica ao conjunto.

Existem várias técnicas construtivas para o enrolamento de alta tensão. Em todas elas se procura uma distribuição espacial das espiras e do material isolante, que permita obter um bom comportamento do enrolamento face às sobretensões de origem atmosférica. Neste enrolamento, o material condutor apresenta-se em fio ou em barra de cobre esmaltado.

Nos transformadores com isolante seco são muito importantes as características eléctricas do material isolante. Dele se exige que, na fase de moldagem e polimerização adquira uma boa homogeneidade, para evitar situações que permitam a existência de descargas parciais no interior do isolante. As características térmicas do material isolante devem ser tais que permitam uma boa condução, para o meio ambiente, do calor gerado pelas diferentes perdas energéticas.

 

IV.  Interrupção em hexafluoreto de enxofre (SF6):

Dragon Flambe'

A extinção do arco eléctrico pode ser obtida também por meios diferentes dos convencionais, como o óleo e o ar, tanto comprimido como à pressão atmosférica. Desde há alguns anos que existem no mercado e são utilizados nos sistemas de tensão elevada (acima de 70 KV), e muito recentemente em média tensão (a EFACEC fabrica-os para tensões de 7,2 KV) disjuntores em que o meio de extinção do arco é o hexafluoreto de enxofre (SF6).

O hexafluoreto de enxofre é um gás que apresenta comportamentos particulares na extinção do arco, uma vez que possui dois requisitos fundamentais:

1.   elevado valor da rigidez dieléctrica;

2.   elevada velocidade de restabelecimento da rigidez dieléctrica quando a causa do arco é extinta.

A rigidez dieléctrica do hexafluoreto de enxofre, à pressão atmosférica, é de 2,5 vezes maior do que a do ar.

No gráfico seguinte representa-se a variação da tensão de disrupção entre 2 eléctrodos afastados de 1 cm em função da pressão absoluta num campo uniforme:

 

Tensão de disrupção (kv)

Figura 1: Pressão (Bar).

Por outro lado, o hexafluoreto de enxofre apresenta notáveis propriedades térmicas e electronegativas, pois:

1.   o seu elevado calor específico permite uma rápida dissipação do calor gerado pelo arco;

2.   a sua recombinação rápida e expontânea determina uma regeneração da rigidez dieléctrica entre os contactos muito rápida.

Deve pôr-se em evidência um lado negativo do hexafluoreto de enxofre, no que se refere à segurança das pessoas. Ele, de facto, apresenta um certo grau de toxicidade, que é função da sua percentagem de mistura com outros gases. Uma percentagem inferior a 8% em volume não apresenta efeito nocivo, no entanto, já o mesmo se não pode dizer para valores superiores a 20%. Este inconveniente é, porém, mais aparente do que real, uma vez que, na hipótese mais desfavorável de quebra dos reservatórios, nunca se atingem conteúdos relevantes.

Do ponto de vista funcional, a interrupção em atmosfera de hexafluoreto de enxofre é feita de modo semelhante ao do ar comprimido, apesar das pressões de funcionamento serem normalmente mais baixas.

 

V.   Alta tensão, isolamento e equipamento:

Dancing Around the Flu

A. Característica dieléctrica do SF6 à baixa temperatura

A pesquisa de um alto nível de desempenho nos disjuntores de alta tensão em SF6 conduziu à uma implementação de pressões de enchimento elevado (0,8 MPa). Tendo em conta as propriedades termodinâmicas do SF6 que se liquefaz em aproximadamente -24°C para uma pressão de enchimento de 0,6 MPa a 20 °C, tornou-se necessário estudar o comportamento dieléctrico deste gás para as baixas temperaturas climatéricas.

 

B.  Distensão nos óleos isolantes 

Com respeito à nossa actividade nos óleos isolantes, esta refere-se a identificação dos mecanismos que intervêm na fase de “ante distensão” ,  responsável então da distensão. Estes são realmente objecto de especulações desde à várias décadas. A complexidade dos fenómenos que podem intervir na fase de distensão torna difícil a formulação de uma teoria unida para explicar todos os resultados experimentais.

 

C.  A modelação da descarga de raio

Numa primeira fase deve-se estabelecer um modelo líder que permite descrever a evolução espacial e temporária deste. O modelo em questão utiliza um circuito equivalente. O líder é comparável a um longo condutor cilíndrico representado pelas células RC.

Os valores das resistências R e das capacidades C, usadas são os valores típicos deduzidos de resultados experimentais obtidos por outros investigadores. 

Os resultados já adquiridos são muitos animadores. De facto, para diferentes formas de tensões em particular para a onda impulsionadora oscilante, a corrente e a carga obtidas pelo modelo estão em acordo perfeito (forma e amplitude) com o que já foi medido experimentalmente por outros investigadores, para  intervalos de ar (médios e longos, 2 a 17 m). Numa segunda fase,  vamos interessar-nos a modelização do arco em retorno com objectivo de ter ferramentas de alta “performance” que permitem uma melhor aproximação dos fenómenos de irradiação (brilho) através de campos electromagnéticos. Esta pesquisa está em desenvolvimento na colocação de uma tese.  

   

D.  Cabo de isolação gasosa

Os gerentes de redes são cada vez mais sensíveis aos protestos que provoca a presença das linhas de transporte AT. Tendo um impacto visual importante, as linhas aéreas geram perturbações electromagnéticos que, justamente ou injustamente, são suspeitas de terem um impacto na saúde das pessoas expostas. Por isso, a técnica de linhas de transporte subterrâneas deve ser desenvolvida. A solução mais imediata consistiria em utilizar cabos de insolação forte (polietileno). Porém, a implementação destes cabos não é tecnicamente possível para distâncias superiores a algumas dezenas de quilómetros visto que as suas capacidades lineares atingem valores muito elevados. Além disso, esta técnica é claramente mais cara comparada com as linhas aéreas (ou seja, 15 a 20 vezes mais para as linhas de 400kV).

 

E. Condensadores

Graças ao seu baixo custo e as suas medidas limitadas, os condensadores de filme chapeado são largamente usados nos circuitos eléctricos de baixa tensão, em particular nos conversores estáticos. Porém, a melhoria de desempenhos de semicondutores de potência permite funcionamentos às frequências de comutação importantes induzindo uma redução de medidas e pesos dos sistemas da electrónica de potência. Isto conduz necessariamente a passagem de correntes importantes no condensador. Estas correntes podem ser então, a causa de aquecimentos, estas mais prejudiciais à vida do condensador que os polímeros, que são materiais sensíveis à temperatura. É então necessário Ter em conta os fenómenos electrodinâmicos (o campo magnético criado e as correntes induzidas por este mesmo campo) que perturbam a distribuição das correntes no condensador, e assim não limitar a pesquisa do condensador aos únicos fenómenos electrostáticas.

 

VI.   Física da descarga e interfaces:

A. Fenómenos de interfaces:

Em outubro de 1993 foi iniciado um estudo sobre a construção de um cabo de AT (420 KV) de isolação gasosa. Este estudo foi motivado principalmente por problemas de ambiente e custo. O preço de um cabo de 400 KV, de isolação rígida (polietileno em particular), representa 15 a 20 vezes mais que o de uma linha aérea equivalente.

No estado actual das técnicas, os cabos de isolação gasosa existentes são de pequeno comprimento e a sua tecnologia assemelha-se  com a das estações blindadas. De um ponto de vista dieléctrico, a exploração destas estações revelou-se judiciosa e traduziu-se por uma grande fiabilidade, graças ao gás isolante usado: o hexafluoreto de enxofre (SF6). Porém, este gás é bastante caro, e é cada vez mais sujeito a contestações ecológicas. O seu uso para os cabos de grandes comprimentos suscita interrogações. Averiguo-se necessário a procura de um gás de substituição. Entre os gases susceptível de responder as primeiras necessidades económicas e ecológicas, o nitrogénio gasoso (N2) parece ser o mais indicado.

Assim, comparamos o comportamento dieléctrico do nitrogénio e do SF6 com e sem espaçamento (isoladores ou cones) sob pressões diferentes; os cones isolantes sendo  constituídos de materiais classicamente utilizados nas estações blindadas (resinas carregadas) ou de novos materiais de alta temperatura.

O interesse industrial que realça este andamento conduziu-nos a levar este estudo experimental ás configurações mais próximas das dos casos reais. Deste estudo retira-se que, para uma tensão de contornamento equivalente, a relação entre as pressões de nitrogénio e de SF6 varia  de 4 a 5. Quanto à relação entre as tensões de activação nos dois gases (para os produtos (p.d.) indo até 100 MPa.mm, p sendo a pressão do gás e d a distancia entre eléctrodos), o seu valor esta compreendido entre 2,5 e 3.

Nos cabos actuais e as estações blindadas, o SF6 é geralmente utilizado a uma pressão de 4 a 5 bars. Os resultados mostram que para alcançar os desempenhos equivalentes com nitrogénio, seria necessário uma pressão superior a 18 bars.  A utilização do nitrogénio á pressões tão elevadas pode levar á problemas técnicos ligados a diferentes constrangimentos (mecânico, impermeabilidade, atravancamento,...). A resolução destes problemas poderia reduzir o ganho económico alcançado com a substituição do SF6. Notamos uma saturação no crescimento do dieléctrico na presença de nitrogénio além dos 11 bars e a eficiência dos isoladores testado foi revelado melhor no SF6 que no nitrogénio. 

Com o objectivo de atenuar as diferenças constatadas entre o comportamento do sistema com o nitrogénio e o SF6, efectuou-se um estudo sobre uma mistura dos dois gases. Além da melhoria de propriedade e da densidade dos sistemas devida à redução da pressão total, a adição do SF6 no nitrogénio permite equilibrar as propriedades de acordo com as polaridades. O estudo sobre a pressão total e a percentagem do SF6 que respondem aos critérios dieléctricos e económicos conduziu aos resultados seguintes: a pressão da mistura deve ser compreendida entre 10 e 12 bars e o conteúdo em SF6 entre 10 e 15% (gráfico 1).

Para complementar este estudo, foram efectuadas as análises de estado de superfície dos cones carregadas diferentemente (alumina, sílica,...), antes e depois dos testes. A influência de impurezas (em suspensão no gás ou depositadas sobre um elemento do sistema) foi também estudado (fig. 4). 

 

 B.   Fenómenos de Volume:

Ø     Fenómenos de distensão nos isolantes líquidos:

O objectivo deste estudo consiste reconhecer e interpretar os mecanismos de distensão para os pequenos (alguns mm) e grandes (aproximadamente dez cm) intervalos, com diferentes tipos de tensões (choques de arco eléctrico e de manobra, tensões continuas e alternativas), e trazer algumas respostas aos problemas encontrados na prática industrial para identificar os defeitos (diagnóstico) e melhorar o comportamento de materiais de H.T (transformadores e condensadores de potência em particular). Os fenómenos de distensão são estudados através de diversos parâmetros (tempo de geração e de propagação das descargas, propriedade dieléctrico, corrente e luz emitida,...) com diferentes formas de eléctrodos nus em presença e de eléctrodos bloqueados (papel, polímero, verniz,...).

Para uma configuração dada (geometria do intervalo, condições atmosféricas), este modelo constitui uma ferramenta para a determinação da tensão U50 (tensão a 50% de activação) por um dos métodos conhecidos ( subida e descida,...). O modelo permite também de simular o conversor de imagem em modo varrimento (streak) ou imagem por imagem (frame).

 

Ø   Modelização da descarga positiva nos grandes intervalos de ar - Aplicações

 O estudo da descarga eléctrica nos grandes intervalos de ar apresenta um interesse tanto do ponto vista físico (físico atmosférico) como do ponto de vista industrial (isolamento e protecção das linhas de alta tensão). Permite também um melhor conhecimento do raio eléctrico, e  de dar uma melhor explicação dos mecanismos de impacto sobre as estruturas das linhas e dos cabos de guarda. Foram propostos diferentes modelos para descrever os mecanismos da descarga. Porém, estes modelos são limitados a fases singulares da descarga e não podem ser combinados juntos num modelo geral, capaz de prever o comportamento de um intervalo de ar submetido a uma dada tensão.

 

Rafael Richter

Assessor Comercial

051 3475 4700

 comercial@eletromax.com.br

 www.eletromax.com.br | Facebook Eletromax



 Notícias relacionadas
DIA DOS PAIS
21 ANOS ELETROMAX
Treinamento 3M
FELIZ DIA DAS MÃES
FELIZ DIA DA MULHER
FELIZ 2017!
FELIZ NATAL e um PRÓSPERO ANO NOVO
20 de Setembro
PALESTRA MOTIVACIONAL
WORKSHOP LAUDO DE NR-10 DIA 14/07
TREINAMENTO MEDIÇÃO DE ATERRAMENTO
PALESTRA MOTIVACIONAL
WORKSHOP DIREÇÃO DEFENSIVA
WORKSHOP MANUTENÇÃO PREVENTIVA
OBRIGADO CLIENTE
NATAL 2015
MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM CONDOMÍNIOS
WORKSHOP - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES
DIA DO TRABALHADOR
WORKSHOP NR10 - Laudo e Regularização
DIA DAS MULHERES
Workshop Seletividade e Coordenação
Plantão 24 Horas
DIA DOS PAIS
TREINAMENTO BÁSICO ELETRICIDADE I
DIA DAS MÃES
DIA DO TRABALHADOR
DIMED - PANVEL
Workshop - Estudo de Coordenação e Seletividade
Eletromax formando profissionais
Ultrassom – ouvindo seu problema
PROJETO E ADEQUAÇÃO DE SUBESTAÇÕES
ANÁLISE DE ENERGIA - Workshop na Eletromax dia 06
WORKSHOP INVERSORES DE FREQUÊNCIA
Montagem de subestações elétricas de média tensão (MT)
Construsul 2013
Investimento em SP
Investimento em Capital Humano
Luto!
LAUDO DE NR10
Desequilíbrio (desbalanceamento) de tensão
Hi-Pot - Ensaios em Instalações Industriais
Direção defensiva
Embrasul também é parceiro Eletromax
Dia das mães 2012
Brasken adquire painel da Eletromax
ELETROMAX participa de mobilização nacional em Porto Alegre
Painéis Eletromax na Petrobrás
Por que ELETROMAX?
CRÉDITO DE ICMS NA FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA
Painéis Elétricos - Pórticos e ventiladores
Venha trabalhar na Eletromax e ser especialista em Soluções Elétricas
QUALIDADE EM SERVIÇOS
ANIVERSÁRIO 15 ANOS ELETROMAX
Conheça a Termografia na Construsul
Feira Construsul
Dia do Trabalho
REFORMA DE DISJUNTORES MT
ELETROMAX Fornece painéis de MT para a CORSAN
Precisando de Soluções Elétricas?
   

Início | Institucional | Serviços | Fornecedores | Clientes | Notícias | Contato | Eventos | Artigos | Trabalhe Conosco | Controles | Calendário 2013
Todos direitos reservados 2017 Eletromax
Fone: (51) 3475 4700 / (51) 99660 5765 / (51) 99919 8912